Projetos do IPOL > Programa Vale do Itajaí > Documentos / Legislação

Clique aqui para gerar uma versão para impressão
Projeto Pomerode Plurilíngüe
Oliveira, Gilvan e Silva, Cenira - 29/06/2004 17:49:16

 

PROJETO POMERODE PLURILÍNGÜE

 

 

Pomerode é uma cidade plurilíngüe com uma história muito particular entre os municípios do Brasil. Nascida como parte da Colônia Blumenau, emancipou-se politicamente na década de 1950 e conta hoje com uma população de 23.000 habitantes (IBGE, 2000), em sua maioria descendentes de imigrantes do Norte da Alemanha, mais especificamente da antiga Pomerânia.

 

A história do Vale do Itajaí é a história de um conjunto de núcleos populacionais lingüisticamente diferenciados do entorno e de outras regiões do país e que, embora predominantemente monolíngües em alemão nas primeiras décadas da sua colonização, constituíram, na maior parte do tempo, uma realidade bilíngüe ou plurilíngüe. 

 

A existência e o convívio de diversas línguas compõe o patrimônio lingüístico de um país ou região, que tem sido cada vez mais valorizado à medida em que cresce a consciência do valor que as especificidades culturais têm para as comunidades de falantes, inclusive econômico. As políticas de proibição e supressão de línguas induzidas pelo Estado em outros tempos estão amplamente superadas em todos os países democráticos e podem ser lidas hoje como o desperdício de uma riqueza inestimável, ou, para usar uma expressão de Bourdieu (1998), o desperdício de um capital cultural socialmente relevante. 

 

Para além disso, o uso da língua materna nos diversos âmbitos em que vive faz parte do direito legítimo do cidadão em qualquer país, segundo a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS LINGÜÍSTICOS da Organização das Nações Unidas (Oliveira, 2003). Constitui-se igualmente em direito lingüístico do cidadão, além disso, o aprendizado da língua oficial do país em que exerce sua vida social e política. Por razões históricas, sociológicas e econômicas então, o bilingüismo e o plurilingüismo são uma solução altamente interessante para o município de Pomerode.

 

Quando se fala em bilingüismo, no entanto, isso não quer dizer automaticamente que o objetivo seja o de que TODOS os indivíduos se expressem nas duas ou mais línguas em todas as situações das suas vidas. Podem ser propostos, como desiderato, determinados usos para uma língua que não coincidam com a totalidade das capacidades de um falante nativo escolarizado: é possível ler uma língua sem falá-la, ou entendê-la e participar de um diálogo poliglota ouvindo em uma língua e respondendo em outra. É tarefa de uma POLÍTICA LINGÜÍSTICA determinar quais usos serão estimulados e ensinados por estarem mais de acordo com a realidade daquela comunidade ou, em outras palavras, que tipo de bilingüismo se pretende construir, que tipo de bilingüismo é mais realista a partir das características sociolingüísticas do município.

 

Quatro idiomas constituem o patrimônio lingüístico de Pomerode:

 

o       O Português é a língua oficial do país, língua dos trâmites burocráticos e da comunicação dos pomerodenses com brasileiros de outras procedências. Tem sido também, desde a década de 1940, a língua de instrução nas escolas da região, da mídia, constituindo-se como praticamente a única língua escrita pela qual os pomerodenses fazem seu acesso ao letramento. É língua oficial em oito países: Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor Lorosan, sendo falada por 191 milhões de pessoas (Ethnologue, 1999) constituindo-se assim em uma das línguas mais importantes do mundo.

 

o       O Alemão (Hochdeutsch) é a língua materna de grande maioria dos pomerodenses, língua própria do território – foi a primeira língua falada neste território logo depois da saída dos indígenas Xokleng – e é a língua na qual a cidade historicamente se constituiu. É a língua que, junto com o Pommersch, dá a identidade local e que liga Pomerode com um grande número de cidades da tradição teuto-brasileira do sul do Brasil e do exterior, oferecendo possibilidades de contato com o espaço germanófono: Alemanha, Áustria, Suiça, Lichtenstein e Luxemburgo, onde o alemão é língua oficial, e com comunidades importantes na Argentina, Namíbia, Austrália, Canadá e Estados Unidos. No Brasil o alemão é falado por mais de 200.000 pessoas, e no mundo por cerca de 128 milhões de pessoas (Ethnologue, 1999).

 

o       O Pommersch é língua materna de uma parte da população e situa-se em uma relação de diglossia com o Hochdeutsch, isto é, numa relação em que o alemão é a variedade alta ou acroleto e o Pommersch a variedade baixa, com usos sociais complementares[1]. Considerado por muitos como um dialeto do alemão, aproxima-se, pela sua estrutura gramatical e fonológica, das línguas que se constituíram no chamado espaço Platt: as línguas escandinavas e especialmente o holandês.

 

o       O Italiano é língua municipal minoritária, falada como primeira língua por um universo de 60 pessoas na localidade de  Pomerode-Fundos. Constitui-se também como um importante elo de ligação de Pomerode com as centenas de comunidades da tradição ítalo-brasileira do sul do Brasil, país em que vivem 25 milhões de descendentes de italianos. Além de língua oficial na Itália, Suíça, San Marino e Vaticano, é usada em 29 países para os quais foram seus imigrantes, tendo hoje um total de 62 milhões de falantes (Ethnologue, 1999).

 

As relações entre estas línguas – em termos da dimensão das respectivas comunidades lingüísticas – podem ser descritas (sem pretensão de apresentação de proporcionalidade) pelo seguinte diagrama:

Português

Alemão padrão

Pommersch

Italiano

 

 

 


            Esta situação não é, entretanto, estática ou estável: vários indícios analisados por Silva (2003) apontam para a diminuição significativa do número de falantes de alemão entre os jovens, especialmente os residentes no centro da cidade, repetindo-se o fenômeno de perda lingüística já verificados de forma mais aguda em outros municípios teuto-brasileiros, como Blumenau ou Joinville, por exemplo.

 

            Para que esta perda lingüística não avance, e para que, ao contrário, a riqueza cultural e lingüística da situação de plurilingüismo de Pomerode possa se converter em bem-estar  para seus cidadãos, é necessária a formulação de uma política lingüística com a audiência das diversas comunidades lingüísticas que co-habitam o município e que possa orientar as políticas públicas neste campo.

 

POLÍTICA LINGÜÍSTICA, na definição de Louis-Jean Calvet (1997), é o conjunto de decisões tomadas pelo poder público a respeito de quais línguas serão fomentadas, ensinadas ou eventualmente reprimidas e eliminadas; de quais funções as línguas terão ou deveriam ter, de que espaços sociais ocuparão – preocupações estas de uma planificação do status das línguas. A política lingüística preocupa-se ainda em como as línguas serão tratadas: como serão escritas ou como seu léxico / vocabulário será ampliado, que metodologias serão usadas para seu ensino, que capacidades os usuários devem ter para ocupar funções determinadas – questões estas próprias de uma planificação do corpus das línguas, para usar a clássica dicotomia de Haugen (Planificação de Status versus Planificação de Corpus).

 

O IPOL propõe ao município de Pomerode, através do Projeto POMERODE PLURILÍNGÜE, uma parceria para planificar as ações lingüísticas da cidade com suas comunidades de falantes das quatro línguas (Português, Alemão, Pommersch e Italiano) através de uma metodologia participativa, em que estas comunidades são chamadas a opinar e a co-formular os projetos a serem desenvolvidos.

 

Durante quatro meses – agosto a novembro de 2004 – discutiremos com o poder público municipal e as comunidades falantes das várias Línguas Municipais de modo a formularmos um conjunto de projetos capazes de ancorar a manutenção e o desenvolvimento da situação de plurilingüismo, e os melhores formatos para a integração entre os vários setores da vida social: educação, cultura, turismo, intercâmbio com o exterior. A presença e participação dos professores de língua alemã do município, estado e escolar privadas será essencial também, e os encontros devem ser entendidos como momentos de capacitação docente para o quadro de professores do município.

           

Os projetos decorrentes das discussões focalizarão área como: a criação de centros infantis e escolas bilíngües públicas, a política de capacitação de professores, a criação de legislação nova e adequada para assegurar a legitimidade das línguas na cidade, a criação de campanhas de esclarecimento sobre as vantagens do plurilingüismo, as melhores formas de implementar uma política diferenciada de turismo cultural voltada para o aprendizado da / de língua(s)[2], entre outras.

 

A participação da comunidade se fará através da pesquisa por entrevistas mas sobretudo em três encontros de um dia de duração com cada uma das comunidades falantes do Alemão, do Pommersch e do Italiano. Para cada língua será elaborado então um conjunto de projetos, a serem financiados por diversas fontes, dependendo da sua natureza. Esse tipo de participação da comunidade gera não somente os projetos em si mas constitui-se em uma forma concreta de esclarecimento e envolvimento das pessoas com os diversos aspectos da situação lingüística e cultural do município. Nossa experiência mostra que têm efeito imediato nas atitudes das pessoas frente à pluralidade lingüística e cultural, e conduz a um grande engajamento

 

O objetivo da parceria será, portanto, o de permitir a formulação, por parte do IPOL, com a audiência das diversas instâncias do poder público responsáveis pela execução das políticas públicas e dos diversos grupos da sociedade civil interessados, de uma POLÍTICA LINGÜÍSTICA para o município de Pomerode que torne efetivas as ações públicas na área das línguas, seja no sistema educativo, seja no setor de planejamento cultural. Esse objetivo será alcançado, ao final do processo, pelo esboço de projetos concretos de implementação e capacitação, de modo a tornar realidade o desejado coletivamente.

 

Dar efetividade às ações públicas na área de línguas significa utilizar bem os recursos públicos aplicados no sistema educacional e de fomento à cultura e ao turismo. Dispor de metas claras, ter especificados quais benefícios serão alcançados e que métodos podem ser utilizados para isso é, nesse sentido, um investimento importante para o município, na medida em que implicará num aumento significativo da produtividade do recurso investido.


[1] A situação lingüística de Pomerode pode ser descrita como uma situação de duas diglossias encadeadas: a primeira, que veio com os imigrantes da Alemanha, a relação Alemão – Pommersch e a segunda, criada no território de Pomerode mesmo, a diglossia Português – Alemão.

[2] Pomerode apresenta condições excepcionais para se transformar em centro de referência do aprendizado de alemão no Brasil, atraindo alunos de todo o país, projeto que pode ser desenvolvido em parceria com a iniciativa privada.


Fonte: IPOL
Este conteúdo foi atualizado em: 29/06/2004 17:49:16 e acessado 5888 vezes.

Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística
Rua Lauro Linhares, 2123 - Torre A - Sala 713
Trindade 88036-036 - Florianópolis/SC - Brasil
Fone/Fax: 55 48 3234 8056
e-mail: ipol.coordenacao@gmail.com